domingo, 10 de agosto de 2014

Análise PS3 - Fallout 3

http://psgamespower.blogspot.com/2014/08/analise-ps3-fallout-3.html
Uma viagem perigosa pelo meio de Washington DC pós-nuclear

Pode-se dizer que Fallout já é uma imagem de marca do mundo dos videojogos, sendo que o mais famoso é o Fallout 2, infelizmente apesar dos avanços feitos na jogabilidade e na adaptação às novas tecnologias, o 3 não consegue superar o 2, apesar da sua boa dimensão e inúmeras demandas, ainda fica abaixo, talvez se deva ao facto de este jogo não estar nas mãos da Interplay e sim da Bethesda, talvez este título não tenha superado o sucesso e glória do seu antecessor devido a ter sido uma fase de experiência da Bethesda com a franquia Fallout, mesmo assim a Bethesda conseguiu fazer um excelente trabalho, tornando este velho rpg de acção por turnos, numa experiência completa em primeira pessoa de mundo aberto sem tirar a sua essência de rpg.

A nossa jornada começa com o início da nossa vida no jogo, nascemos e é nos dada a opção de personalizar a nossa raça, sexo, cor dos olhos, cabelo e aparência facial a vários níveis, após isto tudo feito, avançamos no tempo, e jogamos um pouco como bebés , é nesta altura que utilizamos o famoso sistema S.P.E.C.I.A.L de Fallout, em que definimos os nossos atributos (Força, Percepção, Resistência, Carisma, Inteligência, Agilidade e Sorte), a definição destes atributos acaba sempre por afectar um pouco a experiência inicial do jogo, tendo em conta que nos é permitido evoluir evoluir estes atributos à medida que evoluímos de nível, a nossa personagem no jogo base sem o DLC Broken Steel pode ser evoluída até ao nível 20, sendo que com o DLC referido pode ir até ao nível 30.
O jogo pode ser jogado da maneira que quisermos, podemos nunca avançar na história principal, como podemos só dedicar o nosso tempo a ela, após termos passado a mesma até podemos avançar directamente para pontos cruciais, como ir até certos sítios chave da história e iniciar uma demanda especifica que só deveríamos ter acesso após completarmos as demandas anteriores, o objectivo é encontrarmos o nosso pai que fugiu do vault 101 onde residimos, algo que desperta um sentimento de revolta no líder do vault e que o faz vir atrás de nós, mas que com a ajuda da filha do mesmo conseguimos escapar e entrar em Washington DC que fora devastada pela guerra nuclear, onde existem perigos sem fim, desde caçadores, a super mutantes (tanto animais como humanos) e até mais tarde o exército dos Enclavers (organização militar do actual USA), após encontrarmos o nosso pai o nosso objectivo passa a ser ajuda-lo a manter a salvo e a reparar um purificador, que irá tornar água em volta de Washington DC pura outra vez, vários perigos surgem para dificultar esta missão, sendo um deles os Enclavers, que querem ter controlo sobre o purificador e usá-lo para exterminar os mutantes. Temos à nossa disposição uma boa variedade de armas que podem ser roubadas, adquiridas através do saque de bens, ou do corpo dos nossos inimigos, ou compradas, dou destaque a uma arma bem poderosa chamada Fatboy que é um dispositivo semelhante a um lança mísseis, tirando a diferença de que lança mini-nukes (mini bombas nucleares), aviso-vos que é prudente afastarem-se da zona de impacto quando dispararem um mini-nuke.
Existe uma boa variedade de missões secundárias que irão definir também o desenrolar da nossa história como também modificar a nossa experiência, como por exemplo o modo como as outras personagens interagem connosco, é claro que tudo isto se deve a algo, mais especificamente ao já famoso sistema de Karma, em que as nossas acções mudam o nosso karma, por exemplo roubar algo da casa de outra personagem, ou abrir um cofre da mesma, dá-nos mau karma, enquanto que fazer um donativo à espécie de religião denominada de Children of Atom, ou dar água purificada a um mendigo irá dar-nos bom karma, existem vários tipos de acção que o afetam, também podemos conjugar os dois de maneira a manter o nosso karma neutro. Também contamos com o já conhecido sistema de VATS que faz uso dos AP (Pontos de Ação), quando decidimos usar o sistema de VATS em combate, ele dá-nos uma visão mais pormenorizada do combate, visto que nos permite escolher uma parte do corpo do inimigo ao qual podemos dedicar todos os AP para deixar essa parte aleijada, ao ficar nesse estado essa parte torna-se um ponto critico para infligir danos no nosso inimigo, existem várias vantagens em utilizar este sistema, sendo uma delas o facto de que a acção do jogo pára para nós fazermos as nossas decisões. Bem como os nossos inimigos o nosso corpo também pode ser aleijado, ao que da-mos uso aos Stimpacks para recompor os nossos membros como um braço, ou uma perna, uma boa maneira de recuperar vida e recompor membros é utilizar uma cama para dormir.
Encontramos neste titulo para além dos já conhecidos Enclavers, também os Brotherhood of Steel, que se dedica a proteger os inocentes, os Slavers, que fazem contrabando de escravos, os Temple of The Union, que é formada por escravos que conseguiram fugir, mas também encontramos mais outra organização, os Outcast que são membros da Brotherhood of Steel que não aceitaram fazer a missão de caridade, acabamos por ter também acesso a ter companheiros, desde a um cão, a outro humano e até um super mutante, todos nos ajudam de certa maneira nem que seja só em combate.

Temos um vasto mapa cheio de localidades para explorar neste Fallout, apesar dos bugs que possam ocorrer, como a nossa arma ficar a disparar sem parar, ou o jogo encravar, a experiência com este Fallout consegue ser bastante agradável e fantástica e chegamos mesmo a encontrar pelo menos uma personagem famosa do universo de Fallout no único sitio verdejante nesta terra devastada, a exploração pode ser bastante interessante devido ao fator de mundo aberto em 3D e visão de primeira pessoa, apesar de que certas viagems podem ser cansativas de fazer, ao que podemos sempre recorrer ao sistema de viagem rápida para viajar para uma localidade no mapa de maneira rápida, desde que não haja perigos nas redondezas, tudo isto é feito a partir do já famoso pip-boy, usamos o nosso pip-boy 3000 para usar medicamentos, equipar armas ou armadura, ver o estado da nossa personagem, ligar o rádio para ouvirmos a bela música dos anos 50, entre outras coisas.
Este jogo é indispensável a todos os fãs de Fallout, pois não só é uma aventura fantástica como também representa a evolução nesta icónica franquia, apesar de que também é uma boa experiência para todos aqueles que apreciem um bom rpg, e por isso é que a PSGames Power atibui uma pontuação de 9/10 a esta experiência fabulosa, a que chamamos de Fallout 3.


 








0 comentários:

Enviar um comentário

Recebe a Nossa Newsletter

FantasPT. Com tecnologia do Blogger.
UA-43693560-1