sábado, 17 de janeiro de 2015

Play With Us #2 - Doom

http://psgamespower.blogspot.com/2015/01/play-with-us-2-doom.html
Apesar de ter escolhido falar um pouco (e será mesmo pouco infelizmente) sobre Doom, não posso dizer que tenha lembranças fortes do jogo, era ainda muito novo quando o joguei e tenho uma memória daqui e dali . Há pouco tempo (pouco tempo na altura [final de 2013] antes da republicação feita agora) consegui finalmente encontrar este jogo à venda usado por um preço que fiquei de boca aberta, 1.95€, foi fenomenal.
Acho que o que mais adoro neste jogo é mesmo as animações das armas, os sons dos monstros e do disparo das armas, é fantastico, também gosto dos cenarios e do seu formato um pouco tipo labirinto, com zonas secretas. Dos monstros que temos de derrotar, não me lembro de muitos, lembro-me de umas espécies de bolas gigantes que são um mega olho (o nome deles se não me engano são Cacodemon), dos muito conhecidos standard que são castanhos, sei que os que são uma espécie de cães me costumavam pregar uns sustos (o nome deles é Demon), mas havia um que me assustava mesmo, que estava na parte de um cenário e andáva por lá a rondar à volta , acho que era o Cyberdemon.
Foi uma experiência (que faço tenções de reviver, com a diferença de que desta vez já não me assustam) espetacular pelo que me lembro, tão espetacular que nunca me esqueci do jogo e andei durante uns anos valentes à sua procura. A plot do jogo também é interessante, somos um space marine sem nome, que foi destacado para uma base em Marte, após ter agredido o seu oficial superior, que o tinha ordenado que atirasse sobre cívis. Na base em Marte estão a fazer experiências com maquinas de teletransporte entre as duas luas de Marte, Phobos e Deimos. A razão de ele ser enviado para aqui é porque Marte é o local mais aborrecido para o qual um space marine pode ser destacado, contudo tudo isto muda quando a máquina de Phobos se avaria e a lua Deimos desaparece completamente, depois deste incidente, um mal horrivel começa a sair do portal de teletransporte, matando ou possuindo todos os que se encontram em Phobos, uma mensagem de ajuda é enviada para Marte e um esquadrão de space marines, onde a nossa personagem está inserida, é enviado para Phobos, quando la chegam ele fica ao pé da nave enquanto o resto do esquadrão avança para analisar o perimetro, ele ouve pelo seu radio mensagens breves, seguidas de tiros e gritos, até que tudo fica silencioso. Visto que ele não pode pilotar a nave sozinho, resta seguir a única opção, abrir caminho pelas instalações de Phobos. Isto é um pouco da historia do que vos espera, o jogo está dividido em episódios, para acompanhar tudo isto temos também o Doom II já inserido na versão de PS1, que conta que a Terra foi invadida pelos demónios.
Este jogo realmente marcou-me e aposto que marcou muitos outros gamers, mas tudo isto começou como uma versão de MS-DOS, passou pela PS1, pelo Windows 95, com o Doom 95 que o próprio Bill Gates usou para promover o seu sistema operativo (podem ver o video em baixo), foi ao Mac OS, Linux, Atari Jaguar, Sega 32x, SNES, Nintendo 64, entre outras plataformas. Adorei a mecânica de jogabilidade, os sons são fenomenais, a plot é interessante, mas o que supera tudo é a ação do jogo e as animações, que para mim são únicas. Para complementar tudo isto temos as zonas secretas nos cenários, que podem ter mantimentos de vida e munições, como podem largar uma armadilha sobre nós e dar-nos acesso a uma arma mais poderosa antes da sua devida altura, de maneira a ajudar-nos.
Para quem gosta de ir buscar clássicos, de algum gore e de andar a correr atrás de monstros e demónios com uma motoserra na mão, este é o jogo perfeito na minha opinião

Deixo-vos com um abraço da equipa PSGames Power, um obrigado por lêrem o nosso segundo artigo da rúbrica e caso queiram, deixem um comentário em baixo com a vossa opinião sobre o Doom, sobre o artigo, ou os dois.



0 comentários:

Enviar um comentário

Recebe a Nossa Newsletter

FantasPT. Com tecnologia do Blogger.
UA-43693560-1