domingo, 14 de junho de 2015

Análise Dupla PS Vita - The Walking Dead - A Telltale Games Series - Temporada 1 e 2

http://psgamespower.blogspot.com/2015/06/analise-dupla-ps-vita-walking-dead.html
Estes foram os dois primeiros jogos que obtive da Telltale, e devo dizer que os adorei do princípio ao fim, e por isso decidi fazer uma análise dupla.

Diria que após o que vi na PS3 pelo menos do episódio 1 do TWD 1 que era e continua a ser grátis para obter, o jogo na Vita está com a mesma qualidade, com um ou outro tempo de loading aqui ou ali (tanto na temporada 1 como na 2) mas nada que nos estrague a experiência.

Estas duas aventuras interativas, levam-nos realmente para dentro do universo de TWD, para as escolhas difíceis que temos de fazer para assegurar a nossa sobrevivência bem como a dos nossos companheiros.
Em TWD 1, jogamos como Lee, um homem condenado a ir para a prisão devido a um crime de homicídio, mas no dia que ele estava então a ser transportado dá-se o Apocalypse Zombie, Lee num momento vê-se dentro do veículo da policia de Atlanta, e no outro a tentar escapar do mesmo após um acidente de viação, na sua fuga dos mortos encontra uma menina chamada Clementine, que será o nosso foco, ela encontra-se sozinha, e toda a aventura vai andar à volta dela sem dúvida, em que a nossa única preocupação será mantê-la em segurança, pelo caminho iremos fazer uma variedade de escolhas e decisões (maioritariamente nos diálogos), que irão afetar a maneira como os outros interagem connosco, o nosso nível de relacionamento com os mesmos e o desenrolar da história, nesta nossa aventura conhecemos pelo menos duas personagens da franquia, Hershel e Glem, e tantas outras que foram adicionadas à mesma por este jogo, e que vão ser um grande foco na aventura, como (e não poderia deixar de mencionar pois realmente ele torna-se o nosso melhor amigo neste jogo se assim o desejar-mos) Kenny, a sua mulher Katjaa e o seu filho Duck, na nossa viagem que nos vai levar até Georgia a um derradeiro final que após tantas escolhas e decisões que nos acabam por partir o coração em momentos (tais como ter decidir em certas situações quem salvamos, devido a não haver tempo para tudo) nos deixa desolados, após uma personagem misteriosa entrar na narrativa, provando realmente que tudo o que fazemos tem consequências.
 Já em TWD 2 prosseguimos aventura (com o save da temporada 1 se assim desejar-mos, o que faz uma ligação muito boa na história na maneira como depois certos eventos menores se desenrolam, o que apesar de parecer não muito importante, é algo que cria aquela ligação entre ambos os jogos e apaga aquela sensação de é a sequela e não interessa o que fizemos no primeiro), a  história desenrola-se +- 2 anos e meio após os eventos do primeiro e desta vez jogamos como Clementine, na sua luta por sobrevivência, achei bastante interessante estarmos na pele de uma menina, que não tem mais de 11 anos, e acabarmos por fazer tantas ações e tomar tantas decisões importantes, nesta segunda temporada juntamo-nos a um grupo de sobreviventes que foge de um passado próximo, esta pequena aventura vai nos levar dos bosques a montanhas cobertas de neve, numa viagem em direção a uma esperança de sobrevivência em Wellington (Ontario, Canada), este jogo já se desenrola mais em torno da história, e ações interativas durante a ação, e menos em explorar ambientes, achei isto por um  lado até bom, mas por outro senti falta de um pouco de exploração, observar o ambiente, descobrir alguma coisa necessária, pela nossa jornada vemos o regresso de uma personagem significativa da temporada 1, que realmente eu pelo menos tinha ficado com o sentimento (isto na aventura da temporada 1 com base nas minhas escolhas)  que tinha sobrevivido mas que mesmo assim me surpreendeu bastante pela positiva, tudo isto transborda ainda de mais escolhas difíceis, mais desoladoras do que na temporada 1 e que levam a um final ainda mais complicado que o do primeiro sem dúvida.
Em termos de som o banda sonora está tudo muito bem conseguido, a jogabilidade não varia muito da temporada 1 para a 2, sendo que é simplesmente adicionado mais interatividade com os analógicos em momentos ação na temporada 2, temos a possibilidade de usar o touchscreen da Vita em vez dos do botões, algo que se encontra de raiz na temporada 2 e como opção na temporada 1, de resto usamos o analógico direito para movimentar o pequeno painel que depois nos deixa ver opções de interação, o analógico esquerdo para movimentar a personagem, em momentos na temporada 2 usamo-los para efetuar ações, e depois os botões de ação para as opções de interatividade e de diálogo, em termos visuais estava muito na defensiva ao visual de banda desenhada mas rapidamente me habituei e agora acho que assenta que nem uma luva, em relação à história, é algo que nos cativa e agarra do princípio ao fim, e que no fim nos deixa um pouco tristes por ter terminado, nos dias que andei ao jogar esta aventura mal não conseguia pensar em jogar mais nada, pode ser que venha ai uma temporada 3, quem sabe, em termos do port para a portátil da Sony, ficou excelente, não se nota diferença, exceto os tempos de loadings em alguns momentos na temporada 1 e mais na 2, mas como disse nada que nos estrague a experiência.
Pena não estar disponível em formato físico em Portugal para a Vita (vai-se lá perceber porquê), em termos dos troféus esperava troféus relacionados com escolhas, e no fim são todos de completar os capítulos dos episódios, e posso dizer que foi só nisto que estes dois jogos me desiludiram.

Uma aventura a não perder para os fãs deste género de jogo e de The Walking Dead.



0 comentários:

Enviar um comentário

Recebe a Nossa Newsletter

FantasPT. Com tecnologia do Blogger.
UA-43693560-1