Análise Nintendo Switch - ACA Double Dragon

Desta vez a Hamster Corp. traz-nos a versão arcada de Double Dragon que analisámos na Switch, um clássico de Beat ‘Em Up em especial conhecido pelo seu port (de vários feitos) na NES, digamos que verdade seja dita a versão de arcada visualmente arruma a versão de NES a um canto mas é normal.


O jogo segue Billy e/ou o seu irmão Jimmy, numa busca para salvar Marian que foi raptada por um gang (,os Black Warriors,) e que é a amada de Billy. Num geral o jogos  dá-nos só dois momentos de plot basicamente e muito breves, no inicio e no fim, o objetivo é mesmo meter-nos na ação, relativamente à dificuldade entre esta versão e outros ports, vou assumir que a de Arcada, que foi a versão posta neste relançamento, é sem dúvida talvez a que tenha alguma dificuldade acrescentada, direi isto porque verdade seja dita nas arcadas o objetivo seria sempre ter um jogo desafiante, e mais difícil de dominar para levar à perda de vidas e ao jogador ter de comprar mais créditos, coisa que aqui obviamente não terão de se preocupar pois podem ter tantos créditos quantos quiserem.

Os 4 stages do jogo são engraçados de se atravessar, de zonas mais urbanas a outras mais industriais e não só, o jogo apesar de ser relativamente curto é satisfatório, só terei a dizer que a jogabilidade poderá ser um pouco irritante em momentos. Por exemplo iniciar um jump kick é algo um pouco frustrante por vezes, se não carregarem no kick logo no inicio do salto esqueçam, já não o conseguem fazer, também conseguem fazer um movimento de cabeçada muitas vezes por engano, que é ativado pelos direcionais, estes dois assuntos serão o que vai afetar mais a vossa prestação, e isto porque vos deixam abertos se mal executados a ataques de inimigos. Temos para a longevidade do jogo uma boa seleção de oponentes, mas no caso dos bosses, estes não acabam a ser assim nada demais, e foi surpreendente como o final boss nem foi assim tão desafiante apesar de conseguir ter um aspeto mais singular e único relativamente aos outros, que acabavam a ser por norma só uma versão “gigantificada” (digamos assim e é uma palavra inexistente), e com um esquema de cores diferente dos outros inimigos habituais, achei engraçado a uma coisa, (para variar) nestes temos raparigas com chicote, que quando atacadas aqui largam o mesmo, e à semelhança de outras armas que podemos utilizar podemos apanhá-los e usar em combate, mas mais nenhum personagem tenta apanhar esta arma a não ser que seja uma das raparigas, isto foi algo que achei interessante e me pergunta o porquê, não me parece que seja uma arma presa a algum estigma sexual, mas achei engraçado este pormenor, que por um lado acaba a dar-nos alguma vantagem, uma arma disponível que só nós ou uma das raparigas que estejamos a combater podem apanhar.


Penso que quem goste de Beat ‘Em Ups e ainda não tenha jogado este jogo, encontra aqui uma boa oportunidade de o fazer, e quem já tenha jogado ou não a versão de arcada do mesmo, encontra aqui uma oportunidade de o fazer ou de revisitar numa das consolas modernas, o jogo é bastante engraçado e desafiante, com uma ou outra questão sim e não bate obviamente alguns dos meus favoritos como SOR2, mas não é algo menor por isso, e ao preço que vem de 7.99€, à semelhança de outros títulos de ACA ou ACA NEO GEO, é uma boa opção de escolha para terem na vossa Switch, e jogarem na vossa TV ou em modo portátil, pelo que terão uma boa qualidade e apresentação visual sem falhas tanto num ou noutro modo.

+ Bons cenários e diversificados.
+ Algumas habilidades que achei particulares para um jogo desta altura, e deste género, nomeadamente a habilidade de escalar certas partes do cenário que tenham maneira de o fazer, como por uma rede de cordas.

- Uma ou outra questão em termos de jogabilidade que pode ser frustrante.
- Esperava bosses mais marcantes e desafiantes. 

Nota Final - 8/10

Comentários