Análise Nintendo Switch - Polygod

Polygod é um jogo bastante simplista na sua fórmula, se se lembram dos tempos de shooters de arcada em fps em que era só entrar e eliminar os nossos oponentes bem têm aqui um regresso a isso com este jogo da Krafted Games.


Vão andar por mundos gerados ao calhas e em que podem guardar as seeds dos mesmos bem como entrar num modo de seed escolhida para o dia em que entram no jogo em particular a derrotar uma variedade até interessante de inimigos desafiantes e acreditem que vão passar mal ao inicio. A jogabilidade é simples, apontar e disparar, podem dar saltos e ainda têm certos altares onde podem adquirir power ups ou uma arma diferente que substitui a vossa com as almas dos vossos inimigos caídos o que adiciona elementos de RPG ao jogo dando a oportunidade ao jogador de criar builds praticamente. O jogo é realmente descomplicado no seu conceito o que é de certa maneira uma brisa de ar fresco necessária, cada vez menos temos jogos de shooters de arcada de entrar na acção sem nos preocuparmos com mais nada e Polygod dá-nos exactamente isso de uma maneira simples e directa, acho é que a mira na Switch não funciona lá muito bem, o joy-con não tem um joystick suave o suficiente em movimento para termos uma mira suave e precisa mas mesmo assim vão conseguir ter uma boa experiência de jogo, experiência essa que podem atacar até em co-op e em que podem desbloquear novos tipos de avatares de personagem que vão ter bónus  de stats diferentes. Nisto tudo o jogo entrega ainda elementos roguelike em que se inserem os níveis processualmente gerados, o ao calhas que mencionei, e em que se morrerem começam tudo do inicio.


Pelo meio dos níveis têm personagens que podem encontrar e com quem interagir e que adicionam um toque de personalidade a esta experiência mas que não vos faz derivar demasiado do objectivo principal, matar tudo o que se mexe e vos tenta matar primeiro derrotando um boss no fim de cada reino que atravessam. Polygod é um regresso em espírito a clássicos de fps, enquanto jogo isto lembro-me de Doom e Doom 2 por exemplo que apesar de serem diferentes vão conseguir neste jogo encontrar elementos parecidos, nem que seja o estarem a percorrer corredores e corredores que se vão encontrando polvilhados por inimigos aqui capazes de voar, irem na vossa direcção e explodirem, que lançam múltiplos projecteis, e não só e que vão ser mais desafiantes do que parecem mas que ao menos quando derrotados largam health orbs que vos recuperam vida.


O aspecto do jogo é realmente algo interessante mas que não vai agradar a todos no seu estilo poligonal que apesar de bem conseguido e pessoalmente o achar até agradável em como foi aqui feito, não vai cair nos gostos de toda a gente sem dúvida e esse pode ser realmente a meu ver o único ponto que se pode revelar fraco dependendo de quem o jogue. A variedade de ambientes acaba a ser algo interessante e peculiar talvez neste estilo em que o jogo se apresenta, embora o foco esteja na acção vão sem dúvida encontrar-se por vezes a olhar em volta e a ver como o jogo vos mistura e entrega os seus ambientes na geração processual.

Polygod é um bom regresso a shooters só para largar tensão e que não precisam de nada elaborado, recomendo vivamente a quem procure um desafio e a quem goste de fazer speed running em que este jogo se insere e bem até. A quem procure algo mais casual pode ter algo a ver desde que suporte o nível de desafio que vai encontrar pois se quiser algo mais fácil, então é melhor considerar outro jogo a meu ver. Recomendo vivamente, mais em PC do que na Switch devido à mira mas mesmo assim fica como algo a ter em vista na consola da Nintendo.

Comentários